Neoplasia da Mama e Aspetos Psicológicos

O que é a neoplasia da mama e qual a sua prevalência?
De acordo com Moisão (2001), a neoplasia da mama é a primeira causa de morte por doença maligna e a quinta causa de morte da mulher portuguesa, pois o diagnóstico é feito numa fase bastante avançada da doença (Cardoso da Silva; cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007), sendo que existem repercussões a nível físico, psicológico, familiar e social (Ramos & Patrão, 2005; Afonso, Amaro, Araújo, Santos & Miguel, 2008). De referir que existem vários tipos de cancro da mama (como por exemplo o adenocarcinoma ou o carcinoma inflamatório da mama) e, com o passar do tempo, os meios complementares de diagnóstico são mais precisos, sofisticados e existem diversos, tais como a mamografia, a ecografia mamária, a radiologia convencional, a TAC, a ressonância magnética nuclear mamária, a cintigrafia óssea, a mamografia com estereotaxia, o sistema de biopsia por vácuo, a citologia aspirativa com agulha fina, a core-biopsy, os exames histológicos, os marcadores biológicos e os tumorais.

Como detetar uma neoplasia da mama?
Um comportamento fundamental para detetar precocemente uma neoplasia da mama é o rastreio, ou seja, é necessário que se seja promovida a adesão ao rastreio do cancro da mama (Teixeira, 2008). Como este comportamento exige uma regularidade periódica, verifica-se que o processo da adesão se torna complexo e difícil. De acordo com o mesmo autor, a investigação psicológica tem-se dedicado a este facto, com base em determinados modelos teóricos. Segundo o Modelo de Crenças de Saúde, o comportamento de adesão ou não adesão está diretamente relacionado com a avaliação individual (subjetiva) que a pessoa faz da situação, tendo em conta os custos/benefícios de realizar o rastreio. No entanto, outros fatores são considerados, tais como a história de cancro da mama na família, a ansiedade face ao exame a realizar e um estilo cognitivo monitorizador, que tende a transformar informação ameaçadora em preocupação. No caso de haver ausência de sintomas, existe um reforço para a baixa adesão ao rastreio; a teoria do comportamento planeado defende que a adesão está relacionada com as normas do grupo a que pertence (família, amigos) e com a influência da recomendação que o médico faz. De acordo com esta teoria é necessário que haja um aconselhamento antes de realizar os exames e é importante planificar a ação (como, quando e onde), de acordo com o locus de controlo de saúde, o locus de controlo externo está diretamente relacionado com a adesão ao rastreio, pois é visto como um exame indicado pelo médico; o modelo da autorregulação do comportamento preventivo do rastreio defende que existe uma relação entre as representações que a pessoa tem de senso comum e as respostas emocionais, como o medo, ou seja, a hipótese da mulher poder vir a ter cancro associada ao medo, leva à realização dos exames, ou, por outro lado, pode levá-la a não realizar os exames como forma de estratégia protetora. Assim, é possível afirmar que existe uma interação entre os estados emocionais e a tomada de decisão; e por último o modelo de mudança de comportamentos por fases, ou seja, a adesão ao rastreio ocorre por etapas, sendo que a primeira é a pré-contemplação, a segunda a contemplação, seguindo-se a preparação, a ação e a manutenção. É possível verificar que as mulheres que nunca realizaram o rastreio ou que o fazem com menos frequência, colocam mais obstáculos ao mesmo do que benefícios. De um modo geral e de acordo com o mesmo autor, observa-se que existem fatores inibidores da adesão ao rastreio (medo do cancro da mama, escassa informação sobre o valor do rastreio, medo do resultado positivo, perceção elevada dos custos e baixa dos benefícios) e fatores facilitadores da adesão (adoção de atitudes preventivas, informação acerca da importância do rastreio, reforço positivo por parte de pessoas significativas, recomendação médica e perceção dos benefícios em detrimento dos custos). No entanto, de acordo com diversos autores (Gebrim, Shida, Mattar & Madeira, 2010) o número de pessoas a realizar o rastreio tem vindo a aumentar, o que indica também que existe maior número de casos em que o cancro tem sido descoberto em estádios iniciais.

A cirurgia
Relativamente à cirurgia, esta pode ocorrer devido a doenças malignas e a doenças benignas, sendo que por vezes as doentes estão sinalizadas com uma patologia benigna mais tarde deparam-se com um resultado histológico de malignidade (Moisão, 2001). No entanto, a terapêutica desta neoplasia é de uma abordagem multidisciplinar, pois para além da cirurgia pode ser necessário que exista quimioterapia e/ou radioterapia, que estão relacionadas com o estádio da doença, com análise de vários exames, com a idade da doente e com a sua preferência, após ter sido informada acerca dos efeitos secundários (Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007). No caso da quimioterapia, esta pode ser neoadjuvante (ocorre antes da cirurgia), adjuvante (complementar à cirurgia) ou terapêutica (em estádios mais avançados da doença e que não existe indicação cirúrgica). Por outro lado, a radioterapia é fundamental como um complemento, por exemplo, à cirurgia conservadora (Moisão, 2001; Ramos & Patrão, 2005).

A reabilitação
No que diz respeito à reabilitação das doentes, existem determinados objetivos a alcançar, tais como: controlar a dor, aumentar as amplitudes articulares, diminuir o linfedema, libertar cicatrizes, melhorar a postura e a função do membro superior, contribuir para a diminuição de complicações, estimular a realização das atividades da vida diária o mais rápido possível e, por último, promover a qualidade de vida da doente (Gerber & Vargo cit. in Afonso, Amaro, Araújo, Santos & Miguel, 2008). No entanto, é fundamental ter sempre em conta um plano individualizado e as necessidades específicas da pessoa. Assim, o fisioterapeuta desempenha um papel fundamental no pós-cirúrgico, não só na reabilitação, mas também na prevenção de sequelas do tratamento (Afonso, Amaro, Araújo, Santos & Miguel, 2008). Nesta linha, segundo Bohn et al (cit. in Afonso, Amaro, Araújo, Santos & Miguel, 2008), os doentes que são integrados nestes programas de reabilitação recuperam mais rapidamente, sentem-se mais seguros e revelam menor dificuldade no processo de recuperação. De forma a evitar determinadas deformidades posturais, o tratamento deve ser iniciado no pós-operatório imediato.
De acordo com Afonso, Amaro, Araújo, Santos e Miguel (2008) deve existir uma equipa multidisciplinar constituída por um fisioterapeuta, um médico fisiatra e um psicólogo que realize sessões de grupo, com o objetivo de educação à nova condição da pessoa e a equipa deve também realizar uma abordagem teórica sobre a anatomia da mama, a cirurgia em si, os cuidados a ter no pós-operatório, as consequências dos tratamentos, a reconstrução mamária e o apoio psicológico. Assim, esta equipa deve auxiliar a pessoa a retomar as atividades diárias, melhorar a qualidade de vida, contribuir para uma melhor integração social, atenuar o medo do movimento, diminuir o risco de aparecimento ou de complicações pós-cirúrgicas, melhorar o autoconceito, promover a consciencialização corporal e reforçar a importância do exercício físico.

Aspetos psicológicos
Relativamente a questões psicológicas, é possível verificar que o primeiro impacto emocional do diagnóstico se relaciona com sentimentos de perda e com a perceção de que a morte está perto (Hernandez, Parker et al. cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007). Nesta fase inicia-se um trajeto de sofrimento, sentimentos de mal-estar, tristeza, e quando existe a consciencialização por parte da pessoa, esta começa a fase da aceitação (Hernandez, Parker et al. cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007). Nesta linha, Holland e Rowland (cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007) descreveram as seguintes reações emocionais provocadas pela doença: morte, dependência, desfiguração, incapacidade, separação/rutura e desconforto.
Meyerowitz (cit. in Ramos e Patrão) refere que a neoplasia da mama interfere a três níveis: desconforto psicológico (ansiedade, depressão), mudanças nos padrões de vida decorrentes desse mesmo desconforto e medo/preocupações relacionadas não só com a cirurgia, mas também com a morte. Assim, o diagnóstico desta patologia provoca determinadas reações, como o medo dos tratamentos, a dúvida e a ansiedade; e respostas psicológicas associadas a determinadas características da identidade feminina, tais como a sexualidade, a maternidade e imagem corporal (Bertero, Melo et al., Trill & Goyanes cit. Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007). O diagnóstico de neoplasia da mama é, na maioria dos casos, um fator que causa bastante stress e que provoca alterações negativas em várias dimensões da vida da pessoa, como disfunção sexual e a nível da imagem corporal (Bloom et al., Lindley et al., Taylor et al. cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007). Relativamente ao último aspeto, este pode ocorrer também devido aos tratamentos, pois estes são, de um modo geral, bastante agressivos. Assim, o Psicólogo deve trabalhar a questão da imagem corporal, tendo em conta não só a aparência física, mas também a perceção do corpo como intacto (Palhinhas, cit. in Ramos & Patrão, 2005) e deve também avaliar as repercussões nos relacionamentos interpessoais, e especificamente, nas relações íntimas e sexuais (Bertero, cit. in Rebelo, Rolim, Carqueja & Silva Ferreira, 2007), pois no caso da quimioterapia, esta pode interferir negativamente com a função sexual e com a líbido, uma vez que afeta a produção de hormonas sexuais. De referir ainda que a mama tem uma simbologia da sexualidade por excelência, o que indica que uma patologia que afete este órgão dê origem à perda da autoestima, causando sentimentos de inferioridade e rejeição (Ramos & Patrão, 2005).
De acordo com Vicente (2008) e Rebelo (2008) nestas pacientes é necessário que o Psicólogo: realize uma avaliação do impacto psicológico do diagnóstico e, do internamento (caso exista); promova o ajustamento à doença; facilite a expressão emocional e diminua o sofrimento, fornecendo o devido suporte; faça uma avaliação das estratégias de confronto face à cirurgia; realize uma preparação pré-cirúrgica de modo a diminuir a ansiedade; execute uma avaliação das expectativas em termos de representação de custos/benefícios; prepare a pessoa para a alta; potencie a utilização de estratégias de coping adequadas; aborde as relações familiares; modifique o que é disfuncional; previna e reduza sintomas emocionais; compreenda a experiência do adoecer; promova o bem-estar psicológico; diagnostique distúrbios psicopatológicos; facilite uma adaptação ao diagnóstico e tratamentos.

Bibliografia
Afonso, G.; Amaro, A.; Araújo, G.; , Santos, O. & Miguel, S. (2008) Reabilitação Física no Cancro da Mama. Boletim do HPV, v. XXI, nº 2
Dallagnol, C.; Goldberg, K. & Borges, V. (2010) Entrevista Psicológica: Uma perspectiva do contexto hospitalar. Revista de Psicologia da IMED, v. 2, nº 1
Gaudêncio, C.; Sirgo, A.; Perales-Soler, F. & Amodeo-Escribano, S. (2000) Intervenção Psicológica em Cirurgia. Psicologia em Estudo, v.5, nº 2
Gebrim, L.; Shida, J.; Mattar, A. & Madeira, M. (2010) Indicações da Cirurgia Conservadora no Câncer de Mama. Feminina, v. 38, nº 11
Moisão, J. (2001) Núcleo de Doenças da Mama do Hospital Pulido Valente – Resultados de 10 anos de trabalho. Boletim do HPV, v. XVI, nº 3
Moisão, J. (2008) A Terapêutica Cirúrgica do Cancro da Mama. Boletim do HPV, v. XXI, nº 2
Ogden, J. (2004) Psicologia da Saúde. Climepsi Editores: Lisboa. 1ª Edição
Oliveira, R. (2001) Psicologia Clínica e Reabilitação Física. ISPA: Lisboa. 1ª Edição
Ramos, A. & Patrão, I. (2005) Imagem Corporal da Mulher com Cancro de Mama: Impacto na qualidade do relacionamento conjugal e na satisfação sexual. Análise Psicológica, v. XXIII, nº 3
Rebelo, A. (2008) O Impacto Psicológico da Cirurgia. Boletim do HPV, v. XXI, nº 2
Rebelo, V.; Rolim, L.; Carqueja, E. & Silva Ferreira (2007) Avaliação da Qualidade de Vida em Mulheres com Cancro da Mama: um estudo exploratório com 60 mulheres portuguesas. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 1, nº 8
Teixeira, J. (2008) Psicologia e Adesão ao Rastreio do Cancro da Mama. Boletim do HPV, v. XXI, nº 2
Trindade, I. & Teixeira (2000) Psicologia nos cuidados de saúde primários. Climepsi Editores: Lisboa. 2ª Edição
Vicente, A. (2008) Protocolo de Intervenção do Serviço de Psicologia Clínica do Hospital Pulido Valente na Patologia Mamária. Boletim do HPV, v. XXI, nº 2

Serviço de Psicologia Janela Aberta
psicologia.janelaaberta@gmail.com 
https://www.facebook.com/psicologiajanelaaberta
http://psicologia-janela-aberta.webnode.com

Band 5 – Posições Permanentes para Enfermeiros/as

As vagas existem nas seguintes áreas: Cirurgia Geral, Cirurgia de Ambulatório, Traumatologia e Ortopedia, Ginecologia, Unidade de Cuidados Intensivos, Sala de Operações , Pediatria, Unidade de Cuidados Intensivos em Neonatal e Obstetrícia.

Entrevistas Presenciais ou por Skype

Em parceria com o nosso cliente, Heatherwood e Wexham Park Hospital NHS Foundation Trust, a CPL Healthcare esta actualmente a recrutar enfermeiros experientes e recem-licenciados para posições permanentes, em full time nas especialidades indicadas.
Wexham Park Hospital situa-se na pequena aldeia de Wexham, a cerca de dois quilómetros a norte de Slough e a Este de Berkshire. Heatherwood e Wexham Parque Hospitals NHS Foundation Trust fornece serviços hospitalares para uma população grande e diversificada de mais de 450 mil habitantes, que inclui Ascot, Bracknell, Maidenhead, Slough, South Buckinghamshire e Windsor e tem cerca de 3.200 funcionários. Disponibilizam serviços que incluem cardiologia, maternidade, acidente vascular cerebral e de emergência a partir de dois locais principais em Wexham Park e Heatherwood. A distância em Londres da estação de Slough é inferior a 20 minutos de Londres Paddington. Heatherwood e Wexham foi recentemente galardoado com um premio, CHKS Top 40 Hospitals Award, abrangendo segurança, eficácia clínica, resultados de saúde, eficiência, experiência do paciente e a qualidade do atendimento.

SALÁRIO & BENEFÍCIOS
• Band 5 Nurse Salary, 37.5 h/ semana, o salário ira incluir 5% London Fringe allowance, pagamento de horas extraordinárias e fins de semana.
• Benefícios: alojamento local, viagens e transporte de pessoal, equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, subsidio aos colaboradores no restaurante local, apoio de assistência à infância.
• Mínimo de 27 dias de férias anuais
• 6 meses de tutoria disponivel – o hospital incentiva a formação contínua e o desenvolvimento dos seus profissionais. Você receberá total apoio de um colaborador sénior durante este período.
• Oportunidades de desenvolvimento profissional e de aprendizagem
• Os hospitais são de fácil acesso aos aeroportos internacionais de Londres, ficando localizados a cerca de 15 minutos da estação de Paddington, em Londres.
• Os pontos de interesse mais próximos são o histórico Castelo Windsor e a famosa terra do Lego – grandes motivos para receber a visita dos seus amigos e familiares assim que se instalar na região.

Envie o seu CV em Ingles e reserve a sua entrevista com a CPL Healthcare hoje mesmo!
E: liliana.oliveira@cplhealthcare.com
W: www.cplhealthcare.com

Enfermeiros para Nursing Home privada em Rathcoole, Dublin, Irlanda – Entrevistas em Portugal

BPL new logo pt black (2)A Best Personnel está a recrutar Enfermeiros Generalistas (m/f) para integrar uma Nursing Home Privada em Rathcoole, Dublin, Irlanda.

As entrevistas realizar-se-ão presencialmente em Lisboa no dia 12 de Novembro.

A BPL pagará o voo do candidato para se deslocar para a Irlanda quando contratado OU depois de 6 meses de trabalho do candidato neste empregador a BPL fará o reembolso do pagamento para registo no ABA (350€).

Esta é uma nova visita deste empregador ao nosso país, havendo já enfermeiras portuguesas há 3 anos a trabalhar nesta localização. Abaixo poderá ler o testemunho de uma destas enfermeiras.

Este Nursing Home privado situa-se em Rathcoole. Trata-se de um local calmo e agradável a alguns minutos do centro de Dublin e com accesso fácil a transporte público e vias de acesso.
Foi desenhado de raiz para providenciar serviços de cuidados de Geriatria e assistência diária para convalescentes de cirurgia e outras hospitalizações a 55 residentes, e prima pela qualidade dos serviços que providencia tanto na área da saúde como de qualidade de vida.

São oferecidas excelentes condições de trabalho:

• Salário aproximado de €17(euros) por hora dependendo da experiência
• Horário semanal de 39 horas e possibilidade de fazer horas extra
• Oportunidades de formação continuada
• Progressão na carreira

Requisitos mínimos:

• Licenciatura em Enfermagem
• Enfermeiros registados na Ordem dos Enfermeiros
• Registo na Irlanda iniciado
• Nível médio de proficiência na língua inglesa
• Com ou sem experiência prévia – Experiência na área de psiquiatria e saúde mental ou em Geriatria será valorizada

A Best Personnel destaca-se enquanto agência de recrutamento pela qualidade dos seus serviços e pelo acompanhamento que providencia aos seus candidatos.
Fornecemos a melhor preparação para entrevistas com empregadores e aconselhamento eficiente e prático para o processo de registo profissional, preparação de CVs, adaptação à realidade de um processo de recrutamento e posterior fase inicial da colocação.
Os nossos serviços relacionados com o processo de recrutamento são isentos de custos para os candidatos.

Caso esteja interessado(a) nesta oferta, envie por favor o seu CV actualizado, em inglês, e com a referência “IE10 2014 Rathcoole” para ana.campos@bestpersonnel.ie

Testemunho de Alda Silva, RGN colocada com este empregador

“Eu terminei a minha licenciatura em Fevereiro/Marco de 2011, depois de um mês de procura exaustiva e sem nenhuma resposta positiva para uma posição como enfermeira decidi enviar o meu currículo para a Best Personnel. O processo decorreu calmamente, em Abril comecei a tratar dos papeis necessários para a candidatura a Ordem dos Enfermeiros Irlandesa, a minha entrevista foi em Maio, em Julho estava de malas aviadas e a chegar a Dublin. De Julho ate meio de Setembro trabalhei como Care Assistant e assim que recebi o meu PIN comecei a trabalhar como enfermeira. No processo com a Ordem contei com a ajuda da Best Personnel, sempre disponíveis a clarificar duvidas.

Dublin é uma cidade simpática, não muito grande, e com um pouco de tudo. No geral os irlandeses são muito simpáticos e acolhedores. A “vila” onde residimos e trabalhamos tem tudo o necessário para a vida do dia a dia. A Directora de Enfermagem apoiou-nos na adaptação, demonstrando-se sempre disponível para ajudar, incluindo encontrar residência. O meu nível de Inglês era bom, mesmo assim demorou algum tempo a entrar no ritmo de tudo o que nos rodeia se processar noutra língua.

Aqui o staff é acolhedor, a nursing home tem um ambiente familiar (com funcionários que estão na casa há mais de 10 anos) e é um negócio de família. Temos funcionários de várias nacionalidades e neste momento, entre diferente funções, somos 7 portugueses a trabalhar na casa. Os cuidados prestados são de alto nível. Considero no geral um bom local de trabalho. Algo que foi difícil de habituar foram os turnos longos, trabalhamos turnos de 12h30; mas é algo a que também nos moldamos e tem benefícios, como ter mais dias de folga.

No geral não me arrependo em nada da escolha que fiz, passados três anos ainda me encontro no mesmo local de trabalho. Um ano depois de ter vindo o meu então namorado juntou-se a mim (trabalhando aqui também) entretanto ele conseguiu um emprego na sua área de formação e no ano passado casamos-nos; pelo que podemos prever do nosso futuro a médio/longo prazo a nossa vida vai passar por ser residentes na Irlanda.”