A Importância do Brincar: A Ludoterapia na Intervenção Terapêutica com a Criança

A Importância do Brincar: A Ludoterapia na Intervenção Terapêutica com a Criança


A criança precisa de muitas coisas para ser feliz principalmente de amor, familia, respeito, educação, saúde, no entanto por vezes esquecemo-nos de incluir o brincar.

Segundo a Declaração Universal dos Direitos da Criança (1959), à criança deve ser dada oportunidade de contacto com o mundo à sua volta. Ela deve ser livre para brincar e para dludoterapiaescobrir. Brincar ajuda a criança a ser imaginativa, a criar e a imitar situações que já vivenciou, interiorizar regras e a assimilar padrões culturais. Brincar também é cultura. Brincar ajuda a desenvolver as suas capacidades, aprender a lidar com frustrações e a gerir stress.

De acordo com Papalia (1986), brincar é fundamental para as crianças aprenderem o que nunca ninguém foi capaz de ensinar, aprendem a lidar com o mundo simbólico cheio de significados e valores. Por outro lado, brincar é extremamente útil para gastar as energias, aprender a lidar com situações próximas da vida real e ajuda a aprender a ulltrapassar frustrações e a lidar com os outros.

A função simbólica do brincar é muito importante, pois é ela que faz a ponte entre a experiência concreta e o pensamento abstracto. Enquanto a criança brinca, esta lida com os objectos de forma sensório-motora que são concretos (existem, são reais), mas que simbolizam outra coisa, algo que a criança experiênciou directa ou indirectamente. O brincar dá forma ao mundo interno da criança, isto é as experiências emocionais da criança são projetadas para as brincadeiras e para a maneira como a criança manipula objectos enquanto brinca.

A Ludoterapia é uma técnica utilizada com crianças entre os 3 e os 11 anos e que tem como objetivo principal o contacto com o mundo interno da criança, permitindo compreender a sua linguagem simbólica. Quando as crianças têm difculdade para se expressarem verbalmente, o brincar é utilizado como o único recurso que lhes permite sentir segurança para expressar coisas que são dificeis de explicar ou de verbalizar (por exemplo: abuso sexual, mau trato, medos, angústias, dúvidas).

Os brinquedos (objetos físicos e reais), são utilizados como ferramentas para expressar o que a criança pensa ou sente em determinado momento, ou sobre uma situação específica. No fundo, os brinquedos são como as palavras e o brincar como a linguagem que a criança usa para comunicar. Através do brincar a criança sente-se segura, pois encontra-se no seu meio natural, sendo mais fácil expressar as suas emoções (a raiva, a dor, a alegria, a tristeza, a felicidade, a frustração).

Mas se brincar é tão importante, porque é que não nos lembramos de falar disso no A Importância do Brincarcontexto terapêutico?

Hermine Hug-Hellmuth em 1921, parece ter sido a primeira terapeuta a dar importância ao brincar no contexto terapêutico com a criança, apercebendo-se que se disponibiliza-se brinquedos às crianças era mais fácil para estas se expressarem.

Anna Freud começou por utilizar a ludoterapia como técnica para se relacionar com as crianças. Ao longo do tempo, foi percebendo que brincar com elas aproximava-as afetivamente e ajudava a que fosse estabelecida com melhor qualidade e segurança a relação terapêutica, fundamental para a continuidade do trabalho terapêutico.

Melanie Klein utilizada o brincar como forma de encorajar a criança a participar ativamente na expressão de fantasias, ansiedades e defesas. Nesta altura Melanie, interpretava consciente e inconscientemente o simbolismo da criança ao brincar.

Nos anos 30 a ludoterapia ganhou outra visibilidade pelas ideias de David Levy. Levy desenvolveu a técnica de ludoterapia livre, utilizada principalmente em situações em que a criança tinha passado por algum episódio traumatizante. Segundo Levy, a ação centralizava-se na relação emocional que o terapeuta estabelecia com a criança, que consequentemente era responsável pela cura da problemática da criança.

Mais tarde em 1947, Axline desenvolveu a ludoterapia não-diretiva, que se baseava no princípio que nada deve ser alterado, ou seja a criança não deve ser incentivada a brincar com um objecto em detrimento de outro. Ela deve ser livre para escolher o que quer e como quer fazê-lo, o terapeuta surge como agente passivo na relação, mas que ajuda a criança a atingir a sua auto-realização.

Atualmente, os brinquedos e a interpretação do comportamento é menos relevante, a ludoterapia é sobretudo centralizada na criança, no presente e na vivência da experiência, a chave para o crescimento é a relação estabelecida entre o terapeuta e a criança.

Intervenção Terapêutica com a CriançaA ludoterapia é uma intervenção psicoterapêutica que apresenta resultados positivos nas seguintes perturbações:

- Diminuição de comportamentos agressivos
- Melhorias no ajuste emocional de pais separados
- Melhorias no ajuste emocional de crianças abusadas e negligenciadas
- Melhorias no ajuste emocional de crianças abusadas sexualmente e crianças testemunhas de violência doméstica
- Redução da ansiedade e stress
- Melhorias no desempenho escolar
- Melhorias no ajuste emocional e social
- Redução de sintomas de depressão na criança
- Aumento da auto-estima
- Diminuição da ansiedade de separação

 

Referências:

Axline, V. (1975). Play Therapy. New York: Ballantine Books

Castro, D. et al. (2010). Brincar como instrumento terapêutico. Pediatria, 32(4), p.246-254.

Chateau, J. (1987). O Jogo e a Criança. São Paulo: Summus Editorial.

Santos, R. (2006). A importância do brincar na intervenção psicoterapêutica com crianças.Boletim da Sociedade Portuguesa de Psicologia Clinica, 1, p. 7-10.

Sá, E. (2000). Psicologia dos Pais e do Brincar. Lisboa: Fim de Século

Schmidt, M & Nunes, M. (2014). O brincar como método terapèutico na prática psicanalitica: uma revisão teórica. Revista de Psicologia da IMED, vol.6, p.18-24.

Gadelha, Y. & Menezes, I (2004). Estragégias lúdicas na relação terapêutica com crianças na terapia comportamental. Universidade Ci. Saúde, Brasília, vol.2, p. 1-151.

A Psicóloga
Serviço de Psicologia Janela Aberta
Filomena Conceição
CP 15707

psicologia.janelaaberta@gmail.com
https://www.facebook.com/psicologiajanelaaberta

No Comments Yet.

Leave a comment

Por favor, resolva a seguinte operação: *